MST ocupa fazenda de ex-deputado no Paraná e exige sua desapropriação para reforma agrária.

fazenda maríliaO Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) desde a manhã do último sábado (28) ocupa a Fazenda Marília, em Londrina, norte do Paraná.  A propriedade pertence a familiares do ex-deputado – já falecido – José Janene (PP) trata-se de uma área de 200 hectares que fica no distrito de Lerroville.

Os trabalhadores exigem que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) adquira a propriedade e encaminhe o lote para a reforma agrária. Para os manifestantes, Janene, envolvido no Mensalão, adquiriu a fazenda e outras propriedades no município com dinheiro público desviado por  esquemas de corrupção.  Atualmente, as famílias do MST da região de Londrina aguardam o Incra selecionar novas áreas para elas.

O Incra informou que tem intenção em obter a Fazenda Marília, mas o processo ainda está em avaliação. O órgão explicou ainda que continua trabalhando para obter áreas na região.

Anúncios

Homenagem “In Memoriam” ao Professor Plínio Soares de Arruda Sampaio

O Cpea Unesp (Centro de Pesquisas e Estudos Agrários e Ambientais), da Universidade Estadual Paulista-Campus Marília, tem a honra de convidar a todos para a sessão solene de entrega do Título de Doutor “Honoris Causa” ao Professor Plínio Soares de Arruda Sampaio “in memoriam”, pela sua atuação em prol dos direitos humanos, da justiça social, dos valores democráticos e do melhor entendimento entre os povos.

A cerimônia será realizada, no dia 09 de dezembro, no Auditório da Editora Unesp, localizada na Praça da Sé, n 108, 7 º andar, Centro, São Paulo, às 15h.

 

12274483_1273174106042371_3531069533395551952_n

8º Congresso de Extensão Universitária da UNESP

O Congresso de Extensão Universitária da UNESP visa compartilhar com a sociedade paulista uma parte das nossas melhores práticas extensionistas no sentido da ampliação da troca de conhecimentos e saberes sistematizados entre a Universidade, a Comunidade e as diversas esferas do poder público, visando assim otimizar a efetividade da transferência de conhecimentos disponíveis no meio acadêmico à sociedade. E foi realizado a 8º edição quinta-feira dia (01/10) nas Unidades Universitárias em: Araçatuba, Araraquara, Assis, Bauru, Botucatu, Franca, Guaratinguetá, Ilha Solteira, Jaboticabal, Marília, Presidente Prudente, Rio Claro, São José do Rio Preto, São José dos Campos e São Paulo. E  nos Campus Experimentais: Dracena, Itapeva, Ourinhos, Registro, Rosana, São João da Boa Vista, Sorocaba e Tupã. Os trabalhos puderam ser inscritos via SITE DO EVENTO e deveriam ser inseridos em três diferentes eixos:

 

Eixo 1 – “Direitos, Responsabilidades e Expressões para o Exercício da Cidadania” (inclui as áreas de: Comunicação, Cultura, Direitos  Humanos, Educação, Política e Economia).

Eixo 2 – “Os Valores para Teorias e Práticas Vitais” (inclui as áreas de: Meio Ambiente, Saúde e Ciências Agrárias e veterinárias)

Eixo 3 – “Novas Tecnologias: Perspectivas e Desafios” (inclui as áreas de: Tecnologia, Trabalho, Espaços Construídos, Geração de Renda e Tecnologia Social)

A organização dos 3 eixos temáticos teve como modelo o II Congresso da AUGM.

 

 O CPEA ganhou com o trabalho “Possibilidades para o uso do audiovisual como ferramenta pedagógica em assentamentos rurais” dentro da temática 2. Os trabalhos premiados em todas as unidades podem ser consultados AQUI.

 

II Jornada de Estudos Agrários

2015828115738

INSCRIÇÕES: ATÉ 28/09 OU ATÉ COMPLETAR O NÚMERO DE VAGAS

INSCRIÇÕES

Valor das Inscrições: 

Estudantes de Graduação: R$20,00;

Estudantes de Pós-Graduação: R$ 20,00;

Demais Interessados: R$ 25,00;

Para maiores informações conheça o CPEA: http://www.marilia.unesp.br/#!/cpea 

 

INFORMAÇÃO SOBRE STATUS DE PAGAMENTO:

Informamos os participantes que já efetuaram o pagamento da taxa de inscrição e cujo status de pagamento encontra-se pendente no sistema, que atrasos podem ocorrer na confirmação destes, mas que todos serão confirmados. Pede-se guardar consigo o comprovante de pagamento para o caso de eventuais conferências, caso necessário. Por enquanto, não é necessário enviá-lo. Se preciso, avisaremos os participantes.

Para os que ainda não efetuaram o pagamento, é possível gerar o boleto clicando em Inscrição > 2ª Via Boleto bancário, na parte esquerda da página do evento.
Para os que estão isentos da taxa de pagamento, desconsiderar esta mensagem.

Critérios de seleção dos trabalhos a serem apresentados nos GTs

Serão consideradas as propostas de pesquisadores, de diferentes áreas, que investiguem temas vinculados à proposta do evento e de pesquisas que estejam diretamente ligadas às propostas dos Grupos de Trabalhos a que forem submetidas. Devido às limitações de espaço e tempo, a aceitação dos trabalhos estará condicionada à avaliação da comissão científica do evento, que selecionará os trabalhos a serem apresentados em função de sua adequação, num primeiro momento, em relação ao tema geral do evento (“Jornada de estudos agrários: Água, desenvolvimento e Território”), e, em seguida, à sua pertinência com o tema do GT no qual foi inscrito. Os temas dos 3 (três) GTs (GT 1: Dilemas e Perspectivas da Luta pela Terra, GT 2: Água e o desenvolvimento territorial sustentável; GT3: Projetos educativos e educação do campo)  foram elaborados de acordo com os debates e produções que vem se dedicando a temática proposta pelo evento. Para tanto, a construção se deu a partir do diálogo com pesquisadores e a demanda dos movimentos sociais.

Para cada GT serão selecionados até 10 trabalhos para apresentações orais. Os GTs serão divididos em até 3 (três) sessões cada, as quais serão realizadas em dois dias (29 e 30 de setembro), no período da tarde. Cada autor inscrito para apresentação oral terá aproximadamente 20 minutos para sua exposição.

Os resumos e os textos completos serão publicados em anais on line.

Será aceita a inscrição de um trabalho por autor principal, sendo admitida a inscrição de mais um trabalho em co-autoria. Para se inscrever como co-autor em algum trabalho é necessário estar inscrito no evento.

Prazos de submissão dos trabalhos

As datas de submissão e julgamento dos trabalhos são as que se seguem:

  1. Envio de propostas (resumos e textos completos): de 10 de julho até 21 de setembro de 2015
  2. Período de avaliação das propostas: até 24 de setembro de 2015
  3. Divulgação dos aprovados: até 25 de setembro de 2015

Formatação dos trabalhos

Resumo:

As propostas de apresentação deverão ser enviadas por e-mail para os organizadores do evento (cpea@cpeaunesp.org) contendo um resumo de até 1.800 palavras, com título e nome do autor, vínculo institucional do proponente(s). Não colocar referências bibliográficas ou notas de roda pé.

Fonte: Times New Roman; Tamanho 12; Espaçamento 1,5; Texto justificado.

Título: letras maiúsculas, negrito e centralizadas;

Autor(es): após o título, um por linha, alinhado à direita e com nota de rodapé indicando a qualificação, Instituição e endereço eletrônico;

Indicação do GT após os autores, alinhado à direita

Os trabalhos deverão ser enviados obedecendo aos Eixos Temáticos (que deverá também ser indicado no corpo do e-mail do envio do trabalho).

Texto completo:

Formatação geral:

Fonte: Times New Roman; Tamanho 12; Espaçamento 1,5; Texto justificado.

Título: letras maiúsculas, negrito e centralizadas;

Autor(es): após o título, um por linha, alinhado à direita e com nota de rodapé indicando a qualificação, Instituição e endereço eletrônico;

Indicação do GT após os autores, alinhado à direita

Formato do texto:

No máximo 20 páginas, incluindo a lista de referências e figuras, digitado no programa Word for Windows, papel tamanho A4, margem superior, inferior e direita com 2,5 cm, margem esquerda 3 cm, fonte Times New Roman tamanho 12, espaçamento 1,5, alinhamento justificado, páginas numeradas, citações e bibliografia devem acompanhar as normas da ABNT. O texto completo pode ser apresentado com ilustrações e gráficos com as fontes devidamente mencionadas.

Formato do arquivo e do título:

  • Os arquivos devem ser enviados obrigatoriamente no formato “.doc”  (documento do Word). Favor não enviar arquivos no formato “.docx” e “pdf.
  • Título do arquivo: salvar o arquivo com o seguinte padrão de nomenclatura: SOBRENOME DO PRIMEIRO AUTOR EM CAIXA ALTA_Nome do primeiro autor em caixa baixa_SOBRENOME DO SEGUNDO AUTOR EM CAIXA ALTA_Sobrenome do segundo autor em caixa baixa.doc, e assim sucessivamente para quantos autores houverem. Ex: MELO_Beatriz_SILVA_Maria.doc

Jornada de Estudos Agrários

jornada-cpea.jpg

Certificados do Evento (Clique Aqui)

Anais do Evento (Clique Aqui)

Alimentação como ato político.

No dia doze de junho, a Carta Capital publicou a entrevista com a nutricionista Elaine de Azevedo, contando que o consumo de alimento orgânico, além de ser uma prática saudável, está dentro da ampliação política para a soberania alimentar, reforma agrária e a ajuda para os produtores familiares.

Segue abaixo a matéria feita por Mariana Melo:

Por que é bom consumir orgânicos? Dos adeptos dos alimentos “naturebas” produzidos sem agrotóxicos ou outros insumos considerados agressivos ao meio ambiente, a resposta vem de forma imediata: porque é melhor para a saúde. Mas, segundo a nutricionista Elaine de Azevedo, pesquisadora do Centro de Ciências Humanas e Naturais da Universidade Federal do Espírito Santo, essa resposta pode ser muito reducionista para demonstrar todo impacto que o consumo orgânico pode ter à sociedade. Em uma discussão que abrange desde a problemática social do campo até a questão da fome mundial, consumir tais alimentos pode ser um gesto político. “A agricultura orgânica é mais do que um modo produtivo, é uma proposta, é um movimento ativista. É importante ampliar os conceitos, para entender o que é que está por trás da produção orgânica”, diz Elaine, autora do livro Alimentos Orgânicos: ampliando os conceitos de saúde humana, ambiental e social, da Editora Senac. Confira a entrevista.

CartaCapital: Alguns defendem o consumo de produtos orgânicos pelo viés ambiental, outros, nutricional. Você diz que os benefícios do consumo dos orgânicos são uma questão mais plural, que beneficia uma série de setores. Você poderia falar mais a respeito?
Elaine de Azevedo: Na verdade, esses vieses parecem que são separados, mas são costurados pelo contexto de saúde coletiva. A saúde coletiva implica em condições sociais, ambientais e de estilo de vida saudáveis. Quando você olha na perspectiva de saúde coletiva, para você ser saudável você tem que trabalhar, ter dignidade, estar com quem gosta em um ambiente sustentável pra ter saúde. Nessa perspectiva, o alimento orgânico de origem familiar vai ao encontro da promoção de saúde social, porque vai dignificar o agricultor, e isso repercute na qualidade de vida nas grandes cidades na questão do desemprego, da violência. Tem a ver com a saúde social urbana. E na saúde ambiental também, porque não adianta comer bem se o ar e o mar estiverem poluídos, se o clima estiver desequilibrado. Você tem repercussões sociais porque o ambiente não é só o indivíduo. Então, o aspecto de alimentos equilibrados nutricionalmente é quase uma consequência. Respirar ar poluído, não ter trabalho e viver em uma cidade violenta com graves problemas sociais não é saudável.

CC: Por que consumir orgânicos é um ato político?
EA: Se você analisar de um modo mais amplo, o que o orgânico de origem familiar está trazendo é uma opção política. 80% da produção orgânica é de origem familiar. Além disso, o ato ambiental é um ato político. É você cuidar da saúde, comprar alimentos locais, que tem a ver com a sua cultura. O conceito de política não pode ser muito restrito, na verdade eles são mais porosos, têm a ver com comportamento.

CC: Você alegou que os orgânicos não têm “maior” valor nutricional, mas “melhor” valor nutricional. O que isso quer dizer?
EA: “Mais” não quer dizer “melhor”. A gente quer plantas nutricionalmente equilibradas, e isso o orgânico faz. A gente não quer maior, a gente quer valor nutricional mais equilibrado e aproveitável. O que adianta ter um monte de nitrogênio no solo para a planta absorver, formando nitrito, que é cancerígeno? Ou que atrai mais pragas? É um conceito errado.

CC: De que forma a produção de orgânicos pode responder à demanda mundial por alimentos? Muitos afirmam que só com o uso de agrotóxicos e de sementes transgênicas, por exemplo, é possível suprir essa demanda.
EA: Sabe aquela história de que uma mentira contada tantas vezes acaba sendo levada como verdade? Esse é um caso clássico. O agronegócio não produz alimento hoje. Ele produz PIB, relações exteriores, negócios. Ele produz soja, biodiesel, cana, algodão, não produz comida. Arroz, feijão, mandioca já não são produzidos pelo agronegócio. Já produzimos o suficiente no mundo para alimentar o que está previsto até 2050 de aumento da população. O que acontece é que nós não temos distribuição de renda e de riqueza, ou seja, têm países, pessoas e grupos que concentram alimentos, além de ter pessoas que não têm acesso à terra ou ao dinheiro. Comida já tem. O transgênico vai continuar a excluir pequenos de produzir e vai colocar na mão dos grandes a produção do não-alimento. Então, na mão de quem ficará a produção de alimentos?

CC: Mas e a produtividade inferior do orgânico?
EA: Nunca vamos conseguir produzir soja orgânica igual. Agora, arroz ou batata tem a produtividade comparável. Mas, para isso, tem que ter manejo, emprego, assistência técnica. Agora, eu não consigo produzir tomate no Paraná como eu produzo no México, por exemplo. No Paraná, tem que ser com veneno. Temos de considerar conceitos como o local do plantio e a sazonalidade. Vários conceitos têm de ser adicionados na dieta, como a questão do alimento sazonal e do alimento local. Uma época terá abobrinha, tomate, outra terá tubérculos, outra arroz. A gente pode não ter o ano inteiro esse arroz orgânico, mas a gente vai ter épocas de arroz. Isso que a gente tem de discutir. Produtos específicos em épocas específicas. É uma grande questão a ser discutida.

Já para a produção orgânica animal não é possível comparar a produtividade. Não conseguimos ter e também não desejamos, porque precisamos rever a nossa ingestão de proteínas. O consumo de carne está excessivo, nenhuma cultura já comeu assim. Mas vai dizer isso para pessoas que têm como conceito que mais é melhor? Nós estamos morrendo por falta de minerais, vitaminas, não por falta de proteínas. São muitas revoluções que precisam ser feitas, na agricultura e na nutrição, juntos, pra gente chegar no que se precisa.

CC: Além dessa mudança comportamental, o que é preciso pra suprir essa produtividade inferior?
EA: A agricultura familiar pode produzir os orgânicos com custos mais baixos, porque teremos mais oferta, mais gente produzindo, e menos veneno. A alegação de que precisaremos de agrotóxicos é uma estratégia da indústria. O agrotóxico veio, a tecnologia veio, e tem gente que continua passando fome.

CC: Por que a padronização nutricional (todos no mundo têm o mesmo tipo de dieta) é negativa para a população?
EA: A nossa gordura aqui não é o azeite de oliva, é o óleo de coco, óleo de palma. Esses são saudáveis? São. A banha também é saudável, mas não é ideal comer banha na Amazônia, da mesma forma que não é normal comer azeite de oliva nos trópicos. A dieta culturalmente ajustável é o próximo passo a se alcançar. É legal comer batata e peixe de água profunda na Noruega. Aqui, eu não vou fazer isso, eu vou ter que ter frutas. Não adianta a dieta macrobiótica ser maravilhosa se é uma dieta tradicional do Japão. Ela é ruim? Não, mas precisa ser ajustada à nossa realidade. A gente mora em um país tropical, com muitas frutas. Carne, iremos consumir pouco, como se fosse aquela caça eventual. Não é que a gente vai voltar a só comer isso, mas temos de nos ater à dieta culturalmente ajustada. É um outro passo.

CC: Como você avalia a política de estímulo à produção de orgânicos?
EA: O financiamento da agricultura brasileira é de 25% para agricultura familiar e 75% para agronegócio. Você acha que, com essa diferença, dá pra produzir da mesma forma? E mesmo com 25%, a agricultura familiar corresponde a 80% do que a gente come. Faltam incentivos e sensibilização do consumidor. O consumidor, ao buscar mais e ao querer mais orgânicos, pode procurar por políticos que apoiem isso e, também, forçar o preço a baixar. A problemática do preço tem de ser compartilhada. Laptops acabaram baixando de preço porque todo mundo começou a comprar. O alimento ainda é uma mercadoria, se a gente comprar mais, o preço vai baixar. É aquela discussão, a gente quer comprar remédio ou quer comprar saúde?

A agricultura orgânica é mais do que um modo produtivo, é uma proposta, é um movimento ativista. É importante ampliar os conceitos, para entender o que é que está por trás do alimento orgânico, se não fica uma discussão muito reducionista. Quando essas campanhas contra o orgânico aparecem, é importante ver quem as comanda. Quem pode querer veneno?

 

http://www.cartacapital.com.br/sustentabilidade/alimentacao-organica-um-ato-politico-460.html?fb_action_ids=699978176703923&fb_action_types=og.recommends

Nota do MST em relação ao mestre e pastor Dom Tomas Balduíno

VIDA E REVIDA

Um adeus a nosso mestre e Pastor Dom Tomas Balduino

Como a flor cheirosa, do campo se despede;

Dobra-se ao ciclo da eterna evolução

Fica a semente que a mão do vento expede

Com seu murmúrio em forma de canção.

Canção de vida que na morte é revida…

Revida, renascendo em testemunho dado!

Revida, em luta do índio revoltado!

Revida, em marcha do camponês magoado!

Revida, mulher pobre, branca, negra e homem favelado…

Por um instante, desçam do alto dos mastros as bandeiras;

Cale-se a terra concentrada, lamentando a perda…

Juntem-se os pés nas bases das fileiras…

Caia sincera a lágrima da pálpebra esquerda…

Juntem-se as mãos deixando os gestos vãos…

Baixe o olhar em sinal de respeito

Ergam-se os braços em forma de oração

Dobre-se o corpo, inclinando o peito.

Não é por dor, tampouco por tristeza!

Mas pelo brilho da obra e sua grandeza

Que fez a vida profetizadora…

Se a natureza a põe interrompida…

Não haverá nenhuma despedida

Se cada mão for sua continuadora.

Fica o exemplo firme e militante…

A crítica e o desprezo aos governantes

Que não ouviram as suas sugestões.

Fica um bendito a quem com luta espera…

A maldição aos que tomam a terra

E a esvaziam de suas populações.

Fica o chamado para o seguimento…

Para os valores e o bom comportamento

Na formação da consciência humanista.

Vigiai por nós enquanto caminhamos;

Que aqui ficamos e de ti lembramos

De punho erguido e frontes otimistas…

Assim sentimos leve o nosso coração

Pois com certeza irás ao panteão

Onde estão os grandes socialistas.

Por Ademar Bogo,

4 de maio de 2014

Com pesar e muita tristeza recebemos a notícia do falecimento do querido e aguerrido lutador Dom Tomás Balduíno, ocorrida na noite de ontem.

Dom Tomás foi uma daquelas pessoas que nos marcam pela simplicidade e generosidade, qualidades aliadas com as da coragem, coerência e determinação na luta por seus ideais e compromissos de vida.

Esteve sempre presente nas lutas dos povos indígenas, negros e dos camponeses. A jovialidade o o sorriso que mantinha permanentemente iluminando sua face apenas refletia a grandeza do seu caráter e a corajosa militância pastoral e política que exercia numa das regiões mais violentas do país atacada, primeiro, pelo latifúndio e, depois, pelo agronegócio.

Na luta pela Reforma Agrária, foi um dos mais ardorosos defensores. Não hesitou em estar sempre do lado do povo, enfrentando tanto os governos do regime militar quanto todos os outros que os sucederam. Foi um dos mais fortes pilares na construção de uma pastoral social que aproximou a Igreja Católica de todas as etnias, raças e gêneros, vítimas da irracionalidade do capitalismo e de uma sociedade elitista e preconceituosa. Com uma clareza política ímpar, sabia que o povo deveria ser o protagonista de sua própria história. Por isso não mediu esforços para que a classe trabalhadora, os camponeses, povos indígenas e negros construíssem suas próprias organizações e, de forma autônoma, fizessem suas lutas.

Nós, do MST, somos eternamente gratos pela contribuição e efetiva participação que recebemos de D. Tomás na construção da nossa organização. Nunca nos faltou uma palavra sua de incentivo e orientação. E, sempre que julgou necessário, não hesitou em, fraternalmente, nos apresentar suas críticas e divergências, sempre com a grandeza dos que sabem ouvir e repensar suas opiniões e posicionamentos políticos.

Ele, Paulo de nascimento, também  combateu o bom combate. E, certamente, por sua trajetória de vida e coerência política em defesa dos pobres, entrou no Panteão dos que o poeta Bertold Brecht considera que são imprescindíveis, porque lutam sempre!

Perdemos, ontem a noite, a convivência física de Dom Tomás. Ganhamos um legado que nos incentivará, a nós e as gerações posteriores, à luta e há um compromisso de vida com a construção de uma sociedade justa, solidária, democrática e igualitária, socialista!

Bispo emérito da cidade de Goiás, dom Tomás Balduino (Foto: Wildes Barbosa/ O Popular)

VIVA DOM TOMÁS BALDUÍNO!

VIVA AS LUTAS DOS CAMPONESES, POVOS INDIGENAS E NEGROS.

Direção nacional do MST

São Paulo, 03 de maio de 2014.